Antes, durante e depois da depressão de Rebeca Gusmão!

Rebeca Gusmão não cansa de se olhar no espelho. "Adoro me ver sem roupa, me fotografo, me admiro", confessa. O motivo? Os novos seios turbinados com 495ml de silicone cada um. "Para quem sempre foi reta, estou me achando a mulher mais linda do planeta", afirma a moça, que até dezembro de 2013 nem mesmo queria estar viva.


A ex-nadadora de 29 anos, afastada das piscinas em 2007 acusada de dopping para competir, viveu entre o céu e o inferno após ser diagnosticada com depressão das mais severas. "Imagina tirarem de você a única coisa que sabia fazer. Imagina estar afastada da profissão que você abraçou ainda criança", observa ela, campeã panamericana, que no meio desse turbilhão ainda levou o que comumente se chama de um pé na bunda: "Foram seis anos de relacionamento, ele era meu companheiro, meu amor e meu ombro amigo. Quando aconteceu a separação, perdi meu chão completamente e cheguei ao fundo do poço. Se não fosse minha madrinha e quem me cerca, provavelmente não estaria aqui para contar isso".



Rebeca tentou se matar algumas vezes e, enquanto não estava pensando em acabar com a própria vida, a minava de outras formas. "Eu bebia muito. De julho a setembro de 2013, eu bebia uma garrafa de vodca por dia. Queria entrar em um torpor, esquecer que a realidade era aquela. Me embriagava para ver se passava, mas quando o efeito ia embora eu sofria ainda mais", descreve.

Foi nesta época que Rebeca recebeu e procurou toda a ajuda possível. Psicólogos, amigos, família e até a fé. "Passei a frequentar cultos na igreja Universal e me sentia bem ao ouvir a palavra, via uma luz ali, um sentido para continuar lutando. Eu só não sabia pelo quê. Minha vida pouco me importava porque tudo o que eu amava tinha sido tirado de mim", desabafa.



No dia 30 de dezembro do ano passado, porém, o efeito de todos os tratamentos aos quais se submeteu começaram a aparecer. "Pela primeira vez em meses me senti viva e pronta para fazer planos. Decidi que seria outra pessoa, que iria deixar tudo para trás e sair disso fortalecida", recorda.

No período em que nem sequer saía de casa - apenas ia a médicos e terapia -, Rebeca perdeu 30 quilos. De 104kg caiu para 74kg, e ficou magra demais para seus 1,78m de altura. "Na minha casa somos todas muito altas e fortes. Sou a mais baixinha de todas", diverte-se.

Com o novo corpo, Rebeca passou a se cuidar mais. Os treinos exaustivos na época em que era campeã de natação foram trocados por musculação e exercícios específicos para algumas partes do corpo. "Tenho um metabolismo absurdo. Sou capaz de emagrecer sete quilos em uma semana. Então, tento me policiar para comer direito e treinar para não ficar grande demais como já fui".

1 comentários: